Quem somos e no que acreditamos
DE PAIS PARA PAIS

À medida que os nossos filhos crescem, assim como eles, experimentamos emoções e vivências variadas em cada fase. Não importa se seus filhos são crianças ou adolescentes, é normal se questionar: “estou cumprindo minha missão de pai e/ou mãe?”. O mais importante é lembrar que o nosso trabalho é contribuir na formação e preparação deles para a vida adulta, para que sejam pessoas equilibradas e independentes. A má notícia, infelizmente, é que para você que não nasceu conectado, controlar esse equilíbrio pode parecer um pouco complicado na hora de estabelecer limites de tempo de tela ou até falar sobre o uso da internet dentro de casa. Ainda mais quando nossos filhos conectados só conhecem uma vida que está online e é a maneira natural de se comunicar.

Usar mensagens instantâneas para eles é muito mais normal do que fazer um ligação. “Coisa de velho”, muitos podem dizer, não é mesmo? Faça um teste: peça para seu filho representar em um desenho o que simboliza a música pra ele. Para você, um violão e uma roda de amigos poderia ser a representação ideal. Para ele, se for adolescente, muito provavelmente o logo do Spotify ou Youtube é que apareceria no lugar ;)

Mas o que queremos dizer na verdade é que nossas preocupações não são novas. Imagine seus pais ou avós na época em que o rádio foi inventado ou mesmo quando a televisão ganhou mais espaço na sociedade. Quantas discussões houveram em torno do assunto? Então se você se preocupa sobre as horas de celular utilizadas por seu filho, uma das primeiras coisas a fazer é andar pela casa e contar o número de aparelhos conectados (incluindo televisão, brinquedos e video-games). Por isso, pedir aos seus filhos para que desliguem o celular e eles substituirem por algum outro dispositivo com acesso à Internet com certeza não irá cumprir o objetivo de alcançar um equilíbrio. É importante também que eles entendam que usar um celular, tablet ou ver uma tela é um privilégio, não um direito.

Seu filho faz parte de uma geração 100% conectada. Para eles, estar conectado é algo tão normal quanto andar ou ler.


Por isso, é importante que entendam que usar um celular ou tablet é um privilégio, não um direito.

Equilíbrio digital



Para falar bem a verdade, à medida que a tecnologia evolui , será cada vez mais difícil conter ou controlar a quantidade de tempo na qual uma criança ou adolescente podem estar conectados. A famosa Internet das Coisas (IoT) veio com tudo e cada vez mais teremos casas, carros e cidades, tudo conectado. Os sensores, por exemplo, nos informam sobre o tráfego, a qualidade do ar e da água, ou mesmo sobre quando precisamos comprar comida, emitindo avisos instantâneos em nossos relógios, computadores ou celulares. A oportunidade de nos automatizar e nos informar sobre quase tudo o que fazemos ou experimentamos não é mais ficção científica. Ela já existe e é uma realidade a curto prazo.

Mas como pais, queremos que os nossos filhos tenham uma vida equilibrada, ou seja, que estejam conectados e que ao mesmo tempo entendam a necessidade de ter habilidades e experiências, como aprender a andar de bicicleta, nadar ou ter auto-confiança para se comunicar pessoalmente, face a face com alguém ou dentro de algum grupo.

O QUE FAZER ENTÃO?


Cada família tem seu próprio código de atuação e conduta de acordo com o conjunto de crenças familiar. Alguns pais estabelecem combinados com os filhos com relação ao que se espera deles ao usar um determinado dispositivo, outros não fazem nada e alguns bloqueiam ou monitoram o acesso. A gente respeita e entende de verdade cada tipo de família! Mas se seu filho tem um celular ou tablet com acesso a internet, a pergunta que deixamos pra você que leu esse texto até aqui é: você sabe quem é seu filho na internet? Se você respondeu que sim, então te convidamos a fazer algumas perguntas abertas para seu filho e checar se elas batem com as respostas que você tem em mente. Assistir vídeos no Youtube ou filmes e séries na Netflix juntos, curtir e seguir os mesmos Instagramers, Youtubers ou TikTokers é uma boa pedida para validar seu conhecimento. Se o sim acima foi meio inseguro ou se você respondeu não à primeira pergunta, então te convidamos a experimentar nosso app de conexão parental - o AppGuardian, simples, fácil e intuitivo, feito por pais e mães brasileiros que entendem as angústias dessa realidade.

AppGuardian Pais e Filhos Conectados foi pensado para todo tipo de pais e mães: tanto para aqueles que gostam de ter mais controle por meio de bloqueios e um monitoramento mais firme das crianças e adolescentes conectados, quanto para aqueles que prezam por uma relação de confiança mais aberta bastando apenas um acompanhamento com o intuito de entender mais a fundo quem são seus filhos na internet por meio de relatórios e informações de uso, sem necessariamente recorrer aos bloqueios.

Conte com a gente nessa maravilhosa jornada de criação de filhos conectados!

Um abraço carinhoso,
Equipe AppGuardian